25 de março de 2008

Pensée

"Le sage ne choisit pas la nourriture la plus abondante mais celle qui est la plus agréable."

in http://www.jacquelinepeytavi.com/categorie-1146629.html

21 de março de 2008

Páscoa

Páscoa Feliz

Bonnes Fêtes de Pâques









14 de março de 2008

Anonymous visitor

To my anonymous visitor of Mountain View, CA

Andava intrigada com a regularidade das visitas de um anónimo da Califórnia.
Tinha até preparado um pequeno texto, em inglês, agradecendo o interesse demonstrado pelo meu blog.
Até que... fui "cuscar" à net.... maravilhosa ferramenta.... e pesquisei no google, solicitando imagens da cidade, a fim de tentar adivinhar se haveria aí uma comunidade portuguesa, pois nenhum americano visitaria o meu blog, assiduamente, nas últimas semanas se não soubesse português, era masoquismo a mais, e eis quando... descobri uma foto área, com uma legenda dizendo: Sede do GOOGLE.......... Bem, das duas três:
- ou é um virús
- ou é a actualização do site que aloja o blog
- ou ............
quando se fez luz no meu espírito, aflorou-se um ligeiro sorriso nos lábios, digno de uma verdadeira Mona Lisa.!!!
Eles andem aí!!!!!

A nice day,
Meggy

12 de março de 2008

Avaliação de professores - Alemanha e Suiça

Recebi um e-mail de uma colega, deveras interessante, por isso decidi publicá-lo aqui na íntegra e nem vou comentá-lo.


Movimento Professores... (divulgação do estrangeiro)
Alemanha
Data: 26.02.08

Caríssimos colegas

Antes de mais, os meus mais sinceros parabéns pela organizacão do vosso movimento. Já há bastante tempo que temia ver os professores em Portugal e os professores portugueses no estrangeiro perto de cair num marasmo inoperacional relativamente às prepotências, injustiças,ilegalidades, indecências, etc,etc,etc, do nosso Ministério da Educação. Estou satisfeitíssima por ver que tal não é verdade, pelo menos no que respeita aos docentes em Portugal.

Os professores portugueses no estrangeiro encontram-se, a meu ver, ainda num estado de inacção que me custa compreender, apesar de desde 1998 terem sido penalizados de todos os modos possíveis pelo ME, a título de uma falaciosa e irreal "poupança.l

Sou, desde 1982, professora de Língua e Cultura Portuguesas no Estrangeiro, e pertenço ao QND da Escola B 2,3 Mestre Domingos Saraiva no Algueirão.
Tenho sido sempre activa sindicalmente,encontrando-me no momento na Direcção do SPCL (Sindicato dos Professores nas Comunidades Lusíadas).

Conheço bem os sistemas de ensino da Alemanha e da Suíça, os dois países em que trabalhei longos anos.
Por isso, envio-vos aqui várias informações sobre os docentes e o ensino nos dois países, informações estas que poderão usar do modo que vos for mais útil, e onde poderão ver que os professores mais explorados da Europa, são, sem sombra de dúvida, os docentes portugueses.

Alemanha

Avaliação dos docentes:
Têm, de 6 em 6 anos, uma aula ( 45 minutos) assistida pelo chefe da Direcção escolar.
Essa assistência tem como objectivo a subida de escalão.
Depois de atingido o topo da carreira, acabaram-se as assistências e não existe mais nenhuma avaliação.
Não existe nada semelhante ao nosso professor titular.
Sempre gostava de saber onde foi o ME buscar tal ideia.
Existem, claro, quadros de escola. Não existe diferença entre horas lectivas e não lectivas.
Os horários completos variam entre 25 e 28 horas semanais.
As reuniões para efeito de avaliação dos alunos têm lugar durante o tempo de funcionamento escolar normal,nunca durante o período de férias.
Sempre achei um pouco preverso os meninos irem de férias e os professores ficarem a fazer reuniões...

Tanto na Alemanha como na Suíça, França e Luxemburgo, durante os períodos de férias as escolas encontram-se encerradas!
Encerradas para todos, alunos, pais, professores e pessoal de Secretaria!
Os alunos e os professores têm exactamente o mesmo tempo de férias.
Não existe essa dicotomia idiota entre interrupções lectivas, férias, etc.
As escolas não são centros de recreio nem servem para "guardar" os alunos enquanto os pais estão a trabalhar.
Nas escolas de Ensino Primário as aulas vão das 8.00 às 13 ou 14 horas.
Nos outros níveis começam às 8 .00 ou 8.30 e terminam às 16.00 ou, a partir do 10° ano,às 17.00.
Total de dias de férias por ano lectivo : cerca de 80 ( pode haver ligeiras diferenças de estado para estado).


Alunos

Claro que existem problemas de disciplina. Mas é inaudito os alunos , ou os pais dos mesmos, agredirem os professores. A agressão física de um professor por um aluno pode levar à expulsão do último.

Os trabalhos de casa existem e são para serem feitos. Absolutamente inconcebível que um encarregado de educação declare que o seu filho/filha não tem nada que fazer trabalhos de casa, como acontece, ao que sei, em Portugal.

É terminantemente proibido os alunos terem os telemóveis ligados e utilizarem-nos durante as aulas. As penas para tal são primeiro aviso aos pais, depois confiscação do telemóvel e por fim multa.

Suíça

Tal como na Alemanha, os professores só são assistidos durante o período de formação e para subida de escalão.

Durante os períodos de férias as escolas encontram-se, como na Alemanha, encerradas.

Os horários escolares são semelhantes aos da Alemanha.

Até ao 4° ano de escolaridade, inclusive, não há aulas de tarde às quartas-feiras, terminam cerca das 11.30.

No início das aulas os alunos cumprimentam o professor apertando-lhe a mão e despedem-se do mesmo modo.

Claro que não há 28 ou 30 alunos numa classe, mas no máximo 22.

O telemóvel tem de estar desligado durante as aulas.

É dada grande importância aos trabalhos de casa.

A não apresentação dos mesmos implica descida de nota final.

Total de dias de férias : cerca de 72 ( pode haver diferenças de cantão para cantão).

Vencimentos

Só uma pequena comparação ... na Suíça um professor do pré- primário no topo da carreira recebe 5.200 francos mensais líquidos ( cerca de 3.400 euros), mais ou menos o dobro do que vence um professor em Portugal no topo da carreira.....


Caras / Caros colegas:

Espero não ter abusado da vossa paciência com a minha exposição. Porém, acho que ficou claro que, se o ensino em Portugal se encontra em péssimo estado, a culpa não é dos professores, mas sim de um ME vendido aos empresários, que tem como objectio actual a quase extinção da escola pública, para que a mesma produza analfabetos funcionais, que trabalharão sem caixa médica e sem subsídio de férias , porque nem sabem o que isso é, e se souberem, não poderão reclamar porque não saberão escrever uma carta em termos.... Isto para não mencionar as massas que se entregarão à criminalidade, prostituição, etc.

Um grande abraço para todas /todos da colega

Teresa Soares

9 de março de 2008

La Marche de l'Indignation

Le 8 mars, a été un jour marquant dans l'histoire de l'enseignement et des professeurs au Portugal.
100.000 personnes, du pays entier, ont défilé dans les rues de la capitale protestant contre la politique de l'éducation.
Qu'est-ce que ça va changer?

A Marcha da Indignação

Apesar de não ter participado na Marcha da Indignação, não posso deixar de solidariezar-me com os milhares de pessoas que sairam à rua num protesto claro contra as políticas governamentais no que concerne a Educação.

A Educação foi, e creio que sempre será, um dos sectores mais polémicos dos governos, independentemente da área ideológica.
Educar é o que mais de difícil se depara com o seu humano.
Educar, na perspectiva do educador é um conceito diferente daquele que é perspectivado por quem é alvo dessa educação.
Educar é um conceito de cidadania.
Educar é saber perspectivar uma vida em comum, em sociedade.
Educar, começa no berço.
Educar é colocar limites; impor regras; explicar regras; partilhar experiências; emitir opiniões; dar a conhecer conceitos; discutir conceitos e formas de vida; aprender e ensinar...
Educar é um conjunto de direitos e deveres que, por vezes, não são conhecidos ou não são assimilados ou interiorizados ou aplicados pelo conjunto de pessoas que vive em comunidade.
Educar é respeitar os outros e exijir ser respeitado.
Educar é...

A Constituição da República Portuguesa diz que a educação é um direito de todos os cidadãos. Aliás, como todas as Constituições. Aliás, como está explícito na Declaração Universal dos Direitos do Homem (e da Mulher e das Crianças), princípios emanados dos filósofos das Luzes. Nos séculos XVII e XVIII, generalizou-se, entre os "pensadores" (chamemo-lhes assim), destacando-se o meu querido Rousseau, a necessidade de haver uma Educação. Daí, a necessidade de haver um conceito de Educação; a necessidade de estabeler-se um paradigma educacional, um conceito educacional.... numa época em que o conceito de Educação não existia.

E hoje? Já se encontrou esse conceito universal?
Será que só há um conceito?
Educar não é também ter em conta valores sociais, culturais, entre outros???
Porque se insiste então num conceito ocidental?
Porque se normaliza o conhecimento visando essa conceito ocidental?
Não será meramente um conceito anglo-americano?
Não será que se está a confundir Educação com ministério de saberes e aprendizagens?

A Educação começa em casa.

O problema põe-se na medida em que, por vezes, em casa não se cansam a ensinar, coisas elementares, tais como saber comportar-se em sociedade, com os seus pares.
A Escola passou então a não ser apenas um espaço de ministério sapencial, mas de socialização, de promoção comportamental, de aculturação, de aprendizagem, de auto-conhecimento, de formação para a higiene e saúde, para alimentação, o bem comer, o saber comer, o saber gerir o tempo, o saber ir às compras, conhecer regras mínimas de funcionamento da sociedade, da burocracia administrativa, o gerir os seus recursos económicos, saber abrir uma conta bancária, ler um documento de um seguro ou um contrato de trabalho, acompanhar ao médico, dialogar com pais, encarregados de educação, familiares, amigos, conhecidos, pessoas preocupados com o bem estar dos meninos, agentes sociais, entre outros, para solucionar ou minimizar situações de risco, de abandono escolar, de violência doméstica, de falta de orientação e de gestão dos recursos financeiros, falta de alimentação, de vestuário, de condições nas habitações, de abandono escolar (com conhecimento das autoridades que nada fazem) e de trabalho infantil (com conhecimento das autoridades competentes e... nada fazem, pelo menos com a celeridade exigida pela situação... crianças com 11 anos, por exemplo... quando se tenta solucionar ou remediar a situação, já a criança tem 16 ou mesmo 18 anos... morosidade... administrativa....)...
Não se esgota aqui tudo aquilo que me apetece dizer porque vivo na primeira pessoa ou partilho da preocupação dos colegas que sofrem, como eu, pelo facto de não conseguirmos resolver situações tão precárias.... e onde falha a educação, a de casa, a de berço, a dos primeiros anos da infância, aquela que todos nós temos direito ao nascermos...

Depois disto, apraz-me dizer que Educar é a mais dificil e a mais nobre das tarefas e apesar de todas as diligências nem sempre somos O Todo Poderoso.
Mas acreditem, melhoramos em muito a vida destas crianças inocentes e infelizes ou felizes à sua maneira.

Depois disto, tenho de confessar o quanto me dói assistir ao desrespeito e à desautorização pública dos educadores em geral e dos professores em particular, quando estes desempenham o papel de mãe, de pai, de irmão mais velho, de amigo, de confidente, de psicólogo, de médico, de assistente social... etc, etc... das crianças (e muitas vezes dos encarregados de educação também). Dói-me o insulto a todos quantos se dedicam de corpo e alma aos seus meninos (e não são seus filhos), quando privam os seus familiares de algumas horas para, voluntariamente, acompanharem os seus alunos a um médico, a um serviço público, entre outros; para irem a casa dos pais desses meninos; quando ao fim de um dia de trabalho ou ao fim de semana vão tratar de situações graves e /ou a reuniões, acções, visando o seu enriquecimento pessoal e/ou profissional, tendo sempre presente a importância da educação e como melhor educar... Quantas horas de trabalho? 25h? 30h? 40h?
Que visão tão positiva ou atentória têm da vida de um professor!

Deixem-me que vos diga, chego a passar 12h por dia no meu local de trabalho e trago sempre TPC. Nunca contabilizei de forma precisa, mas se há semanas em que se trabalha 40/50 horas, outras haverá que passarão as 70 ou 80 horas. Ora, se cada dia de trabalho deveria ter um máximo de 8horas e a semana não deveria ultrapassar as 40horas... é só fazer as contas e ver quantas horas (a mais) podemos dedicar e dedicamos ao nosso trabalho e aos nossos meninos.

P.S.1. Haverá vida depois da escola e do trabalho da escola?

P.S.2. Apetecia-me escrever muito mais mas... tenho um encontro marcado com mais de uma centena de testes do ensino básico e duas dezenas do secundário.

P.S.3. Cantarei até que a voz me doa.

A TODOS OS QUE QUEREM DIGNIFICAR A NOSSA CLASSE, A NOSSA VIDA E MELHORAR A NOSSA SOCIEDADE, UM BEM HAJA DO FUNDO DO CORAÇÃO.
Margarida

2 de março de 2008

Phrases immortelles

Si vous ne voulez pas qu’on vous oublie le jour où vous serez mort et pourri, écrivez des choses qui valent la peine d’être lues, ou faites des choses qui valent la peine d’être écrites.
(Benjamin Franklin)