30 de abril de 2008

A morte é arte?!!! Isto é Loucura... desumanização sim!

Ao "passear" na blogosfera descobri este post, com o qual fiquei horrorizada.
Não costumo ligar muito a estas coisas mas isto é verdadeiramente incrível!!!

Em nome da medicina e da qualidade da vida humana fazem-se atrocidades que nem quero imaginar. Nós, que beneficiamos de uma medicina curativa ou paliativa, nem sequer imaginamos viver de outra forma. Esta qualidade de vida deve-se ao facto de uns quantos "loucos" terem dedicado as suas vidas ao progresso e à vida. Mas em que condições o fizeram? Foram éticos sempre? Não sabemos e nem cabe a nós condenar aqueles que por vezes agiram de forma menos ética. Sempre em prol do progresso e da vida humana.

Contudo quando se fala de Arte, do conceito ou conceitos modernos de arte, talvez deva dizer contemporâneos e não modernos, por vezes "descubro" instalações, acções, intervenções que têm algo de gritante, vazio, mau gosto, chocante, cómico, etc... creio que o que interessa é fazer pensar. Mas quando se usam vidas, neste caso um animal, e se considera arte deixar morrer um animal em frente do público visitante e isso é considerado ARTE!!!! E é distinguido!!!!?????
Eu que normalmente não publico coisas deste género fiquei de tal forma chocada que achei um dever fazer este apelo, dar esta informação.

A seguir, será também arte ir à rua e pegar num sem-abrigo e deixá-lo a morrer num canto de uma galeria???!!!!

Em que mundo vivemos??????????????
Valores?????
Quais????

Revolta e indignação!!!!

Passo a citar o que li no blog http://asartesdabia.blogspot.com/
(postado a 7 de Abril, e tem fotos deste crime)


" Como muitos devem saber e até ter protestado, em 2007, Guillermo Vargas Habacuc, um suposto artista, colheu um cão abandonado de rua, atou-o a uma corda curtíssima na parede de uma galeria de arte e ali o deixou, a morrer lentamente de fome e sede. Durante vários dias, tanto o autor de semelhante crueldade, como os visitantes da galeria de arte presenciaram impassíveis à agonia do pobre animal. Até que finalmente morreu de inanição, seguramente depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensível calvário.
Pois isso não é tudo: a prestigiosa Bienal Centroamericana de Arte decidiu, incompreensivelmente, que a selvajaria que acabava de ser cometida por tal sujeito era arte, e deste modo tão incompreensível Guillermo Vargas Habacuc foi convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal em 2008. Facto que podemos tentar impedir, colaborando com a assinatura nesta petição :http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html (não tem que se pagar, nem registar) para enviar a petição, de modo que este homem não seja felicitado nem chamado de ‘artista’ por tão cruel acto, por semelhante insensibilidade e desfrute com a dor alheia.

‘Haverá sempre, em algum lugar, um cão abandonado, que me impedirá de ser feliz…’ Jean Anouilh

Contribuam com a vossa assinatura para que não deixem sofrer "o amigo do homem"! "

EU JÁ ASSINEI, ASSINE VOCÊ TAMBÉM!!
E se entender passe a palavra aos amigos
Obrigada,
Meggy

P.S. Na petição online está este blog, onde se pode também testemunhar a atrocidade em relação ao animal e também outras sandices incompreensíveis.
http://elperritovive.blogspot.com/

25 de abril de 2008

25 de Abril

















LIBERTÉ

(Poésie et vérité, 1942 - Paul Éluard)

Sobre meus cadernos de escolar
Sobre minha escrivaninha e as árvores
Sobre o sabre e sobre a neve
Eu escrevi teu nome

Sobre todas as páginas lidas
Sobre todas as páginas brancas
Pedra sangue papel ou cinza
Eu escrevi teu nome


Sobre as imagens douradas
Sobre as armas dos guerreiros
Sobre a coroa dos reis
Eu escrevi teu nome

Sobre a floresta e o deserto
Sobre os ninhos sobre os ornamentos
Sobre os ecos de minha infância
Eu escrevi teu nome

Sobre as maravilhas das noites
Sobre o pão branco das jornadas
Sobre as estações
Eu escrevi teu nome

Sobre os campos sobre o horizonte
Sobre as asas dos pássaros
E sobre o moinho das sombras
Eu escrevi teu nome

Sobre cada sobre de aurora
Sobre o mar sobre os barcos
Sobre a montanha demente
Eu escrevi teu nome

Sobre a espuma das nuvens
Sobre os suores das tempestades
Sobre a chuva espessa e monótona
Eu escrevi teu nome

Sobre as formas cintilantes
Sobre os sinos de cores
Sobre a verdade física
Eu escrevi teu nome

Sobre os sentimentos despertados
Sobre as rotas percorridas
Sobre os lugares que passamos
Eu escrevi teu nome

Sobre a lâmpada que acende
Sobre a lâmpada que apaga
Sobre minhas casas reunidas
Eu escrevi teu nome

Sobre o fruto cortado em dois
Do espelho e do meu quarto
Sobre minha cama vazia
Eu escrevi teu nome

Sobre meu cão guloso e terno
Sobre suas orelhas em pé
Sobre sua pata manca
Eu escrevi teu nome

Sobre o trampolim de minha porta
Sobre os objetos familiares
Sobre a onda do fogo abençoado
Eu escrevi teu nome

Sobre a carne viva
Sobre a face dos meus amigos
Sobre cada mão que se estende
Eu escrevi teu nome

Sobre a vidraça das surpresas
Sobre os lábios atentos
Bem embaixo do silêncio
Eu escrevi teu nome

Sobre meus refúgios destruídos
Sobre minhas frases desabadas
Sobre os muros do meu tédio
Eu escrevi teu nome

Sobre a ausência sem desejo
Sobre a solidão nua
Sobre as marcas da morte
Eu escrevi teu nome

E pelo poder de uma palavra
Eu recomeço minha vida
Eu nasci para te conhecer
Para te nomear: Liberdade

(Tradução de Paulo Lima)
http://recantodasletras.uol.com.br/entrevistas/493951


Liberté - Paul Eluard

Sur mes cahiers d'écolier
Sur mon pupitre et les arbres
Sur le sable sur la neige
J'écris ton nom


Sur toutes les pages lues
Sur toutes les pages blanches
Pierre sang papier ou cendre
J'écris ton nom


Sur les images dorées
Sur les armes des guerriers
Sur la couronne des rois
J'écris ton nom


Sur la jungle et le désert
Sur les nids sur les genêts
Sur l'écho de mon enfance
J'écris ton nom


Sur les merveilles des nuits
Sur le pain blanc des journées
Sur les saisons fiancées
J'écris ton nom


Sur tous mes chiffons d'azur
Sur l'étang soleil moisi
Sur le lac lune vivante
J'écris ton nom


Sur les champs sur l'horizon
Sur les ailes des oiseaux
Et sur le moulin des ombres
J'écris ton nom


Sur chaque bouffée d'aurore
Sur la mer sur les bateaux
Sur la montagne démente
J'écris ton nom


Sur la mousse des nuages
Sur les sueurs de l'orage
Sur la pluie épaisse et fade
J'écris ton nom


Sur la vitre des surprises
Sur les lèvres attentives
Bien au-dessus du silence
J'écris ton nom


Sur mes refuges détruits
Sur mes phares écroulés
Sur les murs de mon ennui
J'écris ton nom


Sur l'absence sans désirs
Sur la solitude nue
Sur les marches de la mort
J'écris ton nom


Sur la santé revenue
Sur le risque disparu
Sur l'espoir sans souvenir
J'écris ton nom


Et par le pouvoir d'un mot
Je recommence ma vie
Je suis né pour te connaître
Pour te nommer


Liberté


Sobre o 25 de Abril:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_dos_Cravos

http://www.25abril.org/

http://www1.ci.uc.pt/cd25a/wikka.php?wakka=HomePage

http://web.educom.pt/pr1305/abril.htm

24 de abril de 2008

BOM TEMPO

Que belo dia de Primavera!

Um belo dia para agradecer a todos os visitantes de Portugal e do Brasil, que têm sido muitos. Obrigada.

Je remercie à tous ceux qui me visitent de toute l'Europe et partout le monde. Merci.

I thank all the ones that visit me of all the Europe and the world. Thanks.

13 de abril de 2008

Il y a un an III

Dernier jour avec nous.
Match entre IEJ et Regina Asssumpta, beaucoup de public, beaucoup d'émotions d'un coté et de l'autre.



Un des desserts... après le dîner évidemment.


Les belles et sympathiques canadiennes.



Différentes origines et différentes cultures (du Laos, italienne, grècque, libanaise, roumaine et portugaise) d'un coté et de l'autre de cet immense océan, des milliers de kilomètres nous séparent pourtant une même jeunesse, un même espoir d'un avenir plus amical et plus universel.

Quatre jours très intenses et d'une richesse culturelle énorme.

Tout les efforts ont eu comme but le développement et l'enrichessement des jeunes... nous, les adultes, nous aussi nous sommes enrichis par ces jours formidales.

A plus,

12 de abril de 2008

Il y a un an III

Matin libre à Leiria.
L'après-midi on a visité Óbidos, Caldas da Rainha et Foz do Arelho... il a plu tout le temps! Un vent fort et froid! Ce qu'on a vu de la mer c'est ce que cette image témoigne. Bon, on a bien senti l'odeur de la mer... de l'océan atlantique.

11 de abril de 2008

Il y a un an II

Il y a un an...
Il était mercredi... visite au Collège et petit tour en ville, guidé par les élèves du 11ème année, F.E.: église, bibliothèque, pompiers, marché, maisons historiques...





L'après-midi, jeu dans un Collège,à Fátima, contre l'équipe de futsal féminin; visite au sanctuaire; dîner à Golpilheira, génereuse offerte de l'Association locale.


Note: d'autre photos dans

http://activitesiej.canalblog.com/

10 de abril de 2008

Il y a un an

IL Y A UN AN

le 10 avril 2007

Arrivés de Montréal Les Filles de l'équipe de Soccer du Collège Regina Assumpta et leurs entraîneurs.

Un groupe d'élèves du 11ème les attendaient avec des phrases de Salutations Amicales... de Bienvenus en Europe et au Portugal...

On a rentré avec un temps pourri comme celui d'aujourd'hui. Après de semaines de chaleur... comme les dernières semaines.

On a pas pu faire un tour en ville, à Leiria, à cause du mauvais temps et ils étaient aussi un peu fatigués.
A demain.




D'autres photos (celles qui se sont sauvés du crash de mon PC)

http://activitesiej.canalblog.com/

4 de abril de 2008

Ainda sobre os balões...

No Expresso online aparece o video que se segue, uma curta viagem de balão nos arredores do Mosteiro da Batalha.

http://clix.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/284922

2 de abril de 2008

10ª Travessia de Portugal em Balão de Ar Quente

De 29 de Março a 4 de Abril


TRAVESSIA DE PORTUGAL EM BALÃO DE AR QUENTE

PORTUGAL HOT AIR
Balloon transcrossing


Organização: Clube Português de Balonismo

"A Travessia é um evento único no mundo devido ao facto de percorrer um País, de Norte a sul. Na sua 10ª edição, esta competição reune os melhores pilotos de balão de ar quente do mundo numa mistura de nacionalidades e pessoas, oferecendo um grande evento com momentos inesquecíveis... no ar e em terra..." (in folheto distribuído)


Estava prevista a chegada dos balões no domingo, em frente do mosteiro, mas devido ao mau tempo da noite e da manhã não puderam realizar a etapa. Foi pena, pois teria sido um domingo com muita gente a apreciar os balões que parecem pequenos no ar, no entanto, em terra e junto do mosteiro, até faziam parecer ser pequena aquele majestosa obra arquitectónica.

Assim, ontem à noite cumpriu-se a interacção entre a comunidade local e os balonistas.

Estava frio, como é hábito aqui à noite, mesmo de Verão. Mas as chamas de aquecimento do ar e de enchimento do balão explodiam numa onda de calor que envolvia os presentes de forma terna e acolhedora, depois de passado o impacto da longa chama e do barulho, estrondoso.

Uma luz invulgar, quase irreal, enchia a praça a cada abertura do gás...

Fizeram-se filas para subir no balão, ainda que fossem apenas uns míseros 20 ou 30 metros. Mas cerca das 23h acabou-se repentinamente a subida, no último "moicano", alvo de toda a cobiça voluntariosa de conhecer tão inusitado e estranho objecto, nestas paragens.

Decorria a actuação de uma tuna estundantil não sei de onde, e com a "despedida" dos balões as pessoas foram abandonando a, de repente, fria praça. restavam apenas alguns resistentes aquando da actuação da 2ª tuna.

Acho que neste ambiente feérico não se enquadravam as tunas... não sei porque as convidaram... (eram baratas?!!!)

E depois,....
Bem, depois é o que segue na postagem anterior. Tenho pena de não ter visto os mais bonitos e coloridos. Só no site mesmo.

O começar de um dia supostamente vulgar, todavia com um toque matinal extraordinário.


Balões de ar quente

Levantei-me de madrugada para ver os balões levantarem... mas olhei... olhei... e nada...

Uma hora depois... surpresa, os balões estavam a subir...

Um dia lindo de Primavera, mas vento... nada.
Vento???? Podem esperar sentados!!!
(Coitados, vão lá dentro do "cestinho" em pé o tempo todo).

Só este azul parecia ter êxito, contudo nem as "toneladas" de gaz conseguiram vencer a ausência de vento e elevá-los até apanharem uma brisa.
Este é o balão do Modelo. Olha, está "escondido"!! Ao contrário do hiper...

Isto é uma cova... um buraco... não pensaram...



Mas ficou muito bonito o cenário... é extraordinário... uma "montgolfière" elevando-se sobre o quase milenar mosteiro cisterciense...
Dois elementos "attachés" à cultura francesa.

Várias tentativas depois continuamos no sobe e desce, e 50m para a esquerda, 50m para a direita...


Este amarelo estava mesmo em apuros.

Mais uma tentativa... desta vez aparece também um preto e vermelho. Será que vai conseguir o que os outros ainda não conseguiram? E mais um esforço do amarelo que............ foi ao chão!!

O balão do Modelo "escondia-se" atrás de uns "arbustros", talvez envergonhado pelo insucesso.

E teria ficado aqui uma eternidade (quer dizer, até todos os balões terem desaparecido do meu horizonte) mas o dever chamava-me e lá fui a correr trabalhar.