2 de outubro de 2008

Famílias...

Hoje e ontem ouvi uma notícia que por estranha que seja revela também o quanto é tão pouco linear e convencional o nosso quotidiano, ainda que o aparentemente seja.

A propósito de um pai que saiu da Bélgica com três filhas há meses... seguem-se duas notícias que retirei de jornais online conforme podem verificar na fonte.

Comentando esta notícia a propósito da temática das Famílias Tradicionais e Novas Famílias, com jovens entre os 15-18 anos, não consegui desencadear nenhum debate, nem comentário crítico, por mais insignificante que fosse. E alguns tinham ouvido a notícia!! Ou é-lhes indiferente ou estão pouco informados e alertados para situações de risco em família, seja com a família natural ou não.

A mim chocam-me várias coisas:
- a mendicidade como forma de sobrevivência (apesar das meninas terem bom aspecto nas fotos dos jornais e na tv);
- o afastamento total da família e dos amigos.
Não consigo perceber como é que a filha mais velha, de 14 anos, não conseguiu ser autónoma e racional o suficiente para pegar numa moeda e telefonar a um familiar. Acharia normal a situação de estar sem contacto algum com a mãe e demais familiares durante 9 meses? Teria medo? Não me pareciam amedrontadas. Haverá ligações afectivas-psicológicas tão fortes que inibam uma adolescente de ter uma atitude de rebeldia, de saber agir perante um problema, de decidir... Pois se dizem não terem sido maltratadas pelo pai e não terem sentido medo porque estavam com o pai, não estranhariam a total ausência de contacto com os seus familiares, amigos, colegas, escola, país?
Tantas dúvidas e angústias...
E este até não foi um caso muito grave (são tantas as notícias horríveis sobre crianças desaparecidas que até já eu avalio diferentemente...).

Faz-me reflectir no quão frágil é a instabilidade emocional de cada um de nós. Estamos presos por um fio, uma linha, facilmente cortada e facilmente passamos para um mundo de alheamento e de fantasia onde os princípios e as regras são outras. Não necessariamente piores... mas irregulares, longe dos padrões sociais desejáveis.
É muito complicado: perceber, compreender e aceitar.



Detido em Viseu belga que terá raptado as três filhas
30.09.2008 - 09h04 Lusa
O cidadão belga que terá raptado as três filhas menores foi detido ontem à noite em Viseu, disse hoje fonte do comando da PSP da cidade. As três crianças foram entregues a uma instituição.As crianças de 14, 10 e sete anos desapareceram em Janeiro deste ano da localidade de Deurne, Antuérpia, na Bélgica. Foram trazidas para Portugal pelo pai Cornelius Otto numa auto-caravana contra a vontade da mãe de quem está separado. Fonte da PSP de Viseu adiantou que o homem foi detido ontem à noite e as crianças entregues a uma instituição. "A detenção foi feita pela PSP mas o caso já foi entregue à Polícia Judiciária", disse a mesma fonte escusando-se a dar mais pormenores. Desde Janeiro que a Polícia belga e a organização não governamental de apoio a crianças desaparecidas ou sexualmente exploradas "Child Focus" procuravam o paradeiro das três meninas. As autoridades acreditavam que as crianças estariam em trânsito pela Europa, acampando em parques de campismo por tempo indeterminado e, segundo o IAC, poderiam estar em Portugal. O homem e as três crianças viajavam numa auto-caravana. Como meio de subsistência dedicava-se à mendicidade com as raparigas, tocando um realejo em locais públicos. Em Março, o procurador do Ministério Público belga decidiu lançar uma campanha junto da imprensa belga, seguida em Maio por uma campanha internacional, liderada pela "Child Focus" e que inclui a divulgação de um vídeo no site YouTube em três línguas distintas: flamengo, francês e inglês. Esta iniciativa foi realizada em parceria com o ICMEC (International Centre for Missing and Exploited Children, EUA), utilizando o canal de crianças desaparecidas já utilizado anteriormente, aquando do caso Madeleine McCann em Portugal.


http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1344382

Três crianças belgas desaparecidas encontradas em Viseu Truke, de 7 anos, Gerda de 10, e Godelieve Otto, de 14 anos, estão em Viseu e foram encontradas ontem à noite. Estavam desaparecidas desde Janeiro. O alegado raptor, o pai, foi detido pela polícia.As três irmãs belgas foram encontradas em Viseu com o pai, que acabou por ficar detido pela Polícia de Segurança Pública (PSP). As meninas foram levadas para uma instituição social de Viseu. As menores terão sido levadas pelo progenitor, Cornellis Otto, de 39 anos, em Janeiro, sem o consentimento da mãe. A progenitora adianta que apenas deixou uma carta na caixa de correio na qual dizia ter levado as filhas. Viviam em Deurne, na Antuérpia (Bélgica). O pai dedicava-se à mendicidade e vagueava pela Europa a dormir em parques de campismo, relata a imprensa de hoje. Chegou a ser identificado no Montijo no final de Janeiro. Num vídeo divulgado na Internet , a mãe das três meninas fez um apelo internacional para que fossem encontradas. O desaparecimento de Truke, Gerda e Godelieve Otto estava a ser seguido pela polícia belga, tendo sido desencadeada uma acção internacional com a "Child Focus". Trataou-se de uma iniciativa da ICMEC (International Centre for Missing and Exploited Children, EUA), que utilizou o canal de crianças desaparecidas já estabelecido aquando do caso Madeleine McCann, em Portugal. No nosso País, o alerta foi lançado pelo Instituto de Apoio à Criança (IAC).
so, Terça, 30 de Setembro às 9:14

http://quiosque.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ae.stories/12055&sid=ae.sections/3

1 comentário:

António Viriato disse...

O caso é de difícil compreensão, porque o protagonista, um pai belga, não pertence ao estereótipo de pai inconsciente, marginal ou pervertido, justamente porque é belga, europeu, branco, etc.

Mas, nas condições de degradação da actual sociedade euro-americana, quem pode surpreender-se em absoluto ?

Cada vez mais, estas patologias sociais se tornam vulgares, banais, em países tecnologicamente avançados, mas, em simultâneo, muito vulnerabilizados nas suas intrínsecas defesas : éticas, culturais ou espirituais. Aqui, o insucesso tem sido comum, concomitante com o evidente progresso técnico-científico.

Por enquanto, não parece que nós, euro-americanos, herdeiros da civilização ocidental, a menos má de todas as que existem, no presente, nos tenhamos apercebido deste imenso fracasso que ameaça invalidar todo o outro manifesto progresso, o material, assente no domínio da Ciência e da Tecnologia, de há cerca de três séculos para cá.

Por isso mesmo, a supremacia presente pode tornar-se ilusória, inconsequente e revelar-se ineficaz para assegurar, no futuro, essa mesma prevalência civilizacional.

As bases em que ela se estabeleceu encontram-se, hoje, visivelmente ameaçadas, sem que disso tenhamos tomado plena consciência.

Não seria a primeira vez na História que uma Civilização seria destruída por outra de um patamar cultural inferior, por muito receio que tenhamos de usar estes termos, no nosso discurso habitual.

Julgo que deveríamos pensar mais seriamente nisto, em lugar de nos iludirmos com discursos pseudo-optimistas, mas terrivelmente ignorantes de uma realidade ameaçadora.

Concordo que sejamos optimistas na acção, desde que não nos obstinemos em desprezar a realidade que temos diante dos olhos.

Lamento se no comentário tomei um rumo algo sombrio. Mas a isso me levou a matéria comentada.

AV_02-10-2008